Mitos e verdades sobre o Óleo de Coco

Seja pelos jornais, revistas, ou em conversas com os colegas, você provavelmente já ouviu falar sobre o óleo de coco. A versão extravirgem do produto ajuda na regularização do intestino, melhora as atividades digestivas e ajuda o organismo na absorção de nutrientes. Além de todos esses benefícios, pesquisas recentes revelam que o óleo de coco possui propriedades anti-inflamatórias, devido ao seu alto teor de vitamina E.

Óleo de Coco

O óleo também é pode ser um poderoso aliado na tentativa de emagrecimento. Ao ingerir o produto antes das refeições ele aumenta a sensação de saciedade no organismo, portanto a quantidade de comida ingerida tende a ser menor. O óleo ainda aumenta o gasto energético do corpo, o que também contribui para o déficit calórico.

Apesar dos diversos benefícios, é importante esclarecer que os estudos ainda não comprovaram o caráter termogênico desse alimento, ou seja, não existem evidências de que o óleo de coco aumente a queima de gordura, reduza o colesterol ou contribua diretamente para a “perda de barriga”.

Para alcançar os resultados desejados, é preciso seguir as recomendações de uso do produto e seguir um estilo de vida saudável, com alimentação equilibrada e prática de exercícios.

Qual é a dose recomendada?

O óleo de coco pode ser consumido na versão líquida ou em cápsulas. No caso das cápsulas, o indicado é ingerir 2 pílulas de 3 a 4 vezes por dia. Uma dica importante para quem optar pelo líquido é começar o uso com a ingestão de apenas 1 colher ao dia, aumentando gradualmente a dose para 2 colheres de sopa, diariamente, 30 minutos antes do almoço e do jantar.

Existe alguma contra indicação?

Embora seja considerado um alimento, não um medicamento, existem alguns casos em que o uso do óleo de coco não é aconselhado pelos especialistas. Pessoas com disfunção no fígado, refluxo, e que têm colesterol elevado devem evitar o consumo desse produto.

Crianças e gestantes também podem consumir o óleo de coco?

Justamente por se tratar de um alimento, o uso do óleo é permitido também para crianças e mulheres grávidas, no entanto é aconselhável que a dosagem ingerida diariamente seja menor. Nesse caso, uma boa dica é usar pequenas quantidades da versão líquida para preparar e temperar os alimentos.

Consulte seu nutricionista sobre a melhor forma de incorporar o óleo de coco à sua alimentação e usufruir de todos os benefícios para sua saúde.

Compartilhar:Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on LinkedInShare on Google+Pin on PinterestEmail this to someone

Comentários

    1. Olá, Sonia. O uso do óleo de coco não é indicado para pessoas com colesterol elevado. O melhor nesses casos é o uso do ômega 3 1000mg, 1 cápsula 2 a 3 vezes ao dia, após as refeições.Trabalhamos com várias marcas. Clique aqui e confira.

    1. Olá Priscila, o uso do óleo de coco no caso de gestantes e mulheres no período de amamentação deve ser apenas na alimentação, em substituição a outros
      óleos. Por exemplo: ao invés de se cozinhar com o óleo de soja pode-se utilizar o óleo de coco para preparar a alimentação diária. Como suplemento alimentar, o ideal é aguardar o término da amamentação. Consulte sempre seu médico.

    1. Olá, Juliana. Não é possível garantir, pois o processo industrial pode proporcionar concentrações diferentes de ativos do que o cozimento comum.

    1. A cápsula também faz efeito. A dose recomendada é de 2 cápsulas, 30 minutos antes das principais refeições, totalizando entre 4 e 6 cápsulas por dia.

  1. Estava lendo sobre o óleo de coco…e vi que ele é para emagrecer…não entendi…a Nutricionista da minha bebe passou para ela engordar…pois esta com baixo peso…ela tem 1 ano e 7 meses…será que a medica se confundiu???

  2. Então o Dr. Lair Ribeiro estava errado, pois ele diz em suas palestras que cozinhar com óleo de côco faz bem para o HDL, normalizando-o.

    Jocelen

  3. Boa tarde!
    Fui diagnosticado com Esteatose”é o acúmulo de gordura no fígado”, porém após o diagnostico eu pratico esporte “academia” de 04 a 05 vezes por semana. Existe alguma contra indicação para o meu caso?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *