Junho vermelho: campanha pela doação de sangue

doação de sangue

Neste mês é comemorado mundialmente o Junho Vermelho – Mês de Conscientização para a Doação de Sangue. O objetivo desta campanha é conscientizar a população sobre a importância da doação contínua de sangue. O termo contínuo é usado para ressaltar que o ato de doação deve ser realizado sempre, para manter as necessidades do sistema de saúde, e não apenas quando um amigo ou ente querido necessita.

Se você quer saber mais e se tornar um doador e ajudar esta causa, continue a leitura. Vamos esclarecer as principais dúvidas para você!

A importância da doação de sangue

Manter um banco de sangue disponível na rede de saúde é essencial para seu funcionamento pleno. Ele é usado para atender pessoas que passam por cirurgias de médio ou grande porte, também sendo de extrema importância para tratar feridos em situações de emergência. O sangue ainda é usado para pacientes com doenças crônicas graves, como a doença falciforme e talassemia, garantindo que vivam mais e com qualidade de vida.

De acordo com o Ministério da Saúde, uma única doação pode ajudar a salvar até quatro vidas. Isso é possível porque o sangue coletado é separado em diferentes componentes, como as hemácias, as plaquetas e o plasma, podendo beneficiar mais de um paciente com necessidades diferentes. 

Quem pode doar?

Podem ser doadoras as pessoas que tenham entre 16 e 69 anos e que estejam pesando pelo menos 50 kg. Mas se você teve sintomas de febre, gripes ou resfriados, diarreia recente, não poderá doar temporariamente. Por isso, no momento da doação, sempre informe os profissionais todos os detalhes atuais da sua saúde. 

Vale lembrar que, entre uma doação e outra, é preciso haver um intervalo mínimo de 2 meses para os homens e de 3 meses para as mulheres. Ou seja, a frequência máxima de doações por ano é de 4 para homem e 3 para a mulher.

Existe algo que impeça a doação de sangue?

Existem alguns casos de impedimento definitivo. É o caso de pessoas que tiveram doenças transmissíveis por sangue, como hepatites B e C, AIDS (vírus HIV), doenças relacionadas aos vírus HTLV I e II, doença de Chagas ou malária não podem ser doadores.

Se você tem dúvidas se tem ou já teve alguma dessas doenças, é importante realizar os testes antes. Na Araujo, você pode fazer o teste rápido de dengue e chikungunya, hepatite B e C, HIV, sífilis, além de status de glicose e colesterol.

Já para o uso de medicamentos, depende. Cada caso é analisado na entrevista antes do procedimento, que é totalmente sigilosa. Lembre-se de informar o remédio que faz uso contínuo ou se usou algum medicamento, como analgésicos ou antiinflamatórios, recentemente. 

É seguro doar sangue?

Sim. Não há risco de contaminação durante o processo, porque todos os materiais utilizados para a coleta são descartáveis e de uso único. Mitos populares como doar sangue “engrossa” ou “afina” o sangue, ou que a retirada pode deixar o organismo fraco, também não são verdade.

A quantidade retirada é baseada no peso e altura do doador e, cerca de 24 horas após a doação, seu organismo já consegue repor todo o volume de sangue doado.

Como doar sangue?

Existem alguns requisitos para doar sangue. Basicamente é preciso estar com bom estado de saúde e muita vontade de ajudar o próximo. Se você já tem os dois e tomou essa decisão, basta seguir os seguintes passos:

  • Esteja bem alimentado. É recomendável evitar alimentos muito gordurosos nas 3 horas que antecedem a doação de sangue.
  • Se almoçou, aguarde pelo menos 2 horas até a retirada.
  • Durma bem. Garanta pelo menos 6 horas de sono nas últimas 24 horas.

E procure o Hemocentro mais perto de você. No site do Ministério da Saúde, tem a lista completa de Hemocentros no Brasil.