Novembro Azul – uma reflexão que pode salvar vidas

Assim como a mobilização do Outubro Rosa para a conscientização do câncer de mama, o Novembro Azul é um movimento mundial que busca reforçar entre os homens o conhecimento da importância da prevenção e do diagnóstico precoce do câncer de próstata.

De acordo com dados do Instituto Nacional de Câncer (INCA), em números absolutos, esse tipo de câncer é a segunda causa de morte da população masculina no Brasil. Esse indicativo revela que o brasileiro dá pouca importância à medicina preventiva, uma vez que o tumor de próstata é passível de diagnóstico precoce por meio de um exame de sangue e do exame clínico.

Por isso, a principal ferramenta que temos para reverter esse quadro é combater o preconceito com informação sobre a importância da prevenção. Entenda neste artigo o que é o câncer de próstata e como e quando é feito o diagnóstico.

O que é a próstata?

A próstata é uma glândula que fica localizada entre a bexiga e a pélvis do homem, à frente do reto. Ela tem a importante função de produzir parte do líquido que forma o esperma, ajudando a alimentar e proteger os espermatozoides, além de conter músculos que ajudam a expelir o sêmen durante a ejaculação.

O câncer de próstata é o tumor que pode surgir nesse órgão. Ele é, na maioria das vezes,  silencioso e não apresenta sinais e sintomas evidentes. Apenas em estágios mais avançados, quando suas metástases se manifestam em ossos, pulmão ou fígado, é que passa a ser notado.

Nesse estágio avançado, as chances de cura são bem menores. Por isso os especialistas alertam: quanto mais cedo ele é diagnosticado, maior as chances de cura. Estatísticas do Instituto Nacional do Câncer (NCI) dos Estados Unidos indicam que até 90% dos casos diagnosticados em fase inicial têm cura se o diagnóstico e o tratamento ocorrerem em tempo hábil.

Como são feitos os exames?

Muita gente conhece o método de toque retal para o exame da próstata, mas ele não é o único utilizado. Existem seis metodologias empregadas para o diagnóstico assertivo do câncer de próstata, que são:

  • PSA – exame de sangue: é feito a partir de um exame de sangue comum que avalia o marcador tumoral PSA, um indicador de problemas de inflamação da próstata.
  • Toque retal: este exame é muito rápido, demorando cerca de 1 minuto, e não exige preparo. Por meio do toque, o médico avalia se a próstata parece maior ou mais rígida do que o normal.
  • Ultrassonografia transretal: ou ecografia da próstata também avalia o tamanho da glândula e eventuais alterações na sua estrutura. Mais detalhado, é indicado apenas quando já foram identificadas alterações no PSA e toque retal.
  • Medição do jato de urina: este exame não é realizado como forma de diagnóstico específico do câncer de próstata, mas é útil em casos já diagnosticados. Através da medição da força do jato e da quantidade de urina em cada micção, o médico consegue entender o impacto do tumor na bexiga e uretra.
  • Exame de urina: o exame de urina PCA3 é específico para avaliar se existe câncer de próstata e qual a agressividade do tumor, sendo muito útil para indicar o tratamento adequado.
  • Biópsia: a biópsia é feita para confirmar diagnósticos de alterações na glândula, como câncer ou tumores benignos, e é feita mediante a retirada de uma amostra da próstata para análise em laboratório.

A Araujo já realiza o exame do nível de PSA no sangue, e durante o mês de novembro, vamos oferecer um combo de exames para você deixar sua saúde no azul e ficar em dia com a prevenção. Você faz os testes de glicemia, colesterol total, PSA quantitativo, pressão arterial e autocuidado com condições especiais. Basta conferir aqui quais as unidades que oferecem esse serviço.

Quando fazer os exames?

Os riscos de desenvolvimento do câncer de próstata aumentam com a idade, por isso os médicos especialistas recomendam que homens a partir dos 50 anos de idade façam os exames de PSA e toque retal anualmente. Mas se você tem parentes de 1º grau que já foram diagnosticados com câncer de próstata, é indicado fazer os exames já a partir dos 45 anos.

Além da idade e do histórico familiar, existem outros fatores que já foram correlacionados com o aumento dos riscos de desenvolver o câncer de próstata. A correlação significa que foi identificada uma ligação dessas condições com a doença, mas que ainda não foram detalhadamente estudadas pelos especialistas. São eles:

  • Dieta: consumo excessivo de carnes vermelhas e leites e baixo consumo de verduras e legumes.
  • Obesidade e sedentarismo.
  • DSTs: doenças sexualmente transmissíveis, como gonorreia ou clamídia, podem aumentar os riscos de inflamação da próstata.
  • Tabagismo.

Recebendo o diagnóstico

Além da ansiedade e preconceito com o exame preventivo, receber o diagnóstico é outro momento que pode influenciar muito o imaginário masculino. O medo de que o tratamento não funcione ou das limitações físicas que os tratamentos podem acarretar faz com que muitos evitem procurar a ajuda profissional ou se expor a qualquer intervenção.

Nesse momento, todo o apoio emocional da família e amigos é extremamente importante. É a combinação de informação clara, amor e valorização da vida que pode mudar esse cenário e salvar milhares de vidas.

Faça sua parte, encaminhe este texto para um amigo e vamos fazer deste Novembro Azul uma oportunidade de conscientização para mudar este cenário. Você não está sozinho. Vamos juntos!

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *