Protetor solar: descubra qual o melhor para você!

Texto por Francesca Chiornio

O protetor solar é um item indispensável em qualquer estação do ano. Ele dispõe de filtros que podem ser físicos ou químicos, funcionando como uma uma barreira contra:

  • Câncer de pele
  • Queimaduras solares
  • Envelhecimento precoce
  • Desenvolvimento de manchas.

Esses danos são gerados a partir da radiação ultravioleta que pode ser dividida em dois tipos: Ultravioleta A (UVA) e Ultravioleta B (UVB).

Os raios UVA são menos intensos, mas mais perigosos, possuem incidência constante e podem causar mutações significativas nas células da pele. Os UVA são responsáveis pelo envelhecimento precoce da pele.

Em contrapartida, os  raios UVB atingem a camada mais superficial da pele (epiderme) e causam queimaduras solares e vermelhidões típicas. Eles representam apenas 5% de toda a radiação. 

Para simplificar a memorização, podemos pensar em A de “aging” (envelhecendo) e B de “burning” (queimando), apelidos inventados por dermatologistas.

Benefícios do uso do protetor solar

O protetor solar é fundamental para evitar os efeitos indesejados causados pela exposição ao sol, ele é uma barreira contra as queimaduras solares, a oleosidade exagerada, a acne solar e os agentes poluentes oxidativos.

A fotoproteção diária oferece diversos benefícios à pele e à saúde, como:

1. Prevenção do câncer de pele 

O câncer de pele é o tipo de tumor mais recorrente no Brasil e um dos principais meios de prevenção da doença é o uso diário do protetor solar, aliado sempre de outros bloqueadores, como roupas, chapéus e óculos. 

2. Retardamento do envelhecimento da pele

A exposição solar acelera o processo de envelhecimento, causa ressecamento, desidratação, flacidez e facilita o surgimento de rugas, manchas e marcas de expressão. 

A utilização do protetor solar defende a pele da ação dos raios solares e faz com que ela recupere o viço.

3. Clareamento de manchas

Diversos fatores podem desencadear a formação de manchas, inclusive a radiação solar. Esse aumento na produção de melanina pode ser prevenido com o uso do protetor solar, que impede que manchas preexistentes se estendam e que novas se formem. 

Além disso, o protetor possui propriedades clareadoras, capazes de suavizar manchas de modo preventivo. A aplicação cotidiana é fundamental para quem tem manchas na pele.

4. Hidratação da pele

Grande parte dos protetores solares contêm substâncias hidratantes, as quais garantem à pele mais brilho, saúde e maciez. 

O que acontece se eu não usar protetor solar?

Se você não usar protetor solar ou utilizar de modo inadequado, as consequências podem ser graves.

A radiação solar tem efeito acumulativo, isso significa que a pele tem “memória” e as consequências prejudiciais da exposição ao sol prolongada e desprotegida são acumuladas desde o início da vida e podem se revelar apenas anos depois. As queimaduras solares e vermelhidões esporádicas aumentam a probabilidade de melanoma, tipo de câncer de pele mais agressivo, por exemplo. 

A longo prazo, ficar com a pele descascando pode significar muito mais que dor ou sensibilidade, gera manchas, ressecamento e lesões de fotoenvelhecimento.

É preciso passar protetor solar todos os dias?

Sim. O protetor solar deve ser aplicado todos os dias, ainda que o tempo esteja nublado ou chuvoso. É essencial para a preservação da nossa saúde e para o desaceleramento dos sinais de envelhecimento.

Mesmo dentro de casa, sem interação direta com a luz do sol, existe a luz emitida pelos objetos artificiais: a luz visível. A luminosidade emitida pelas telas (computadores, celulares, tablets) pode provocar sérios danos, ainda que aparente ser inofensiva.

A luz visível é causadora de manchas de melasma, queimaduras, lesões nos olhos e envelhecimento precoce. Portanto, não pense que se você trabalha de casa ou em escritório fechado está isento do uso de protetor solar. 

Como passar o protetor solar?

O filtro solar só garante segurança e efetividade se aplicado da maneira correta, nas quantidades corretas. 

O ideal é que a pele esteja limpa e seca. E que você sinta uma cobertura uniforme sobre toda a superfície do seu rosto. Deve-se aplicar até a raiz do cabelo sem se esquecer de outras partes importantes, como pescoço, ponta do nariz, nuca e orelhas. Deve-se passar o protetor solar pelo menos 15 minutos antes da exposição ao sol.

De modo geral, a medida indicada é de uma colher de chá para o rosto e o pescoço e aproximadamente três colheres de sopa para o restante do corpo. Para facilitar a aplicação, que pode parecer exagerada, aconselha-se passar o protetor solar em duas camadas, esperar que seque e reaplicar.

A aplicação de protetor no corpo é dispensável se você passa a maior parte do seu dia em ambientes internos, porém não se esqueça de proteger as áreas que costumam ficar mais expostas, como colo, orelhas e mãos. 

A reaplicação é fundamental e geralmente deve ser feita de três em três horas. Caso haja transpiração intensa, exposição prolongada ao sol ou imersão na água, será necessário menor tempo de intervalo entre as aplicações. No entanto, sempre confira no rótulo do produto o intervalo indicado pelo fabricante. 

Como escolher o protetor solar?

De modo geral, o protetor solar precisa oferecer proteção contra os raios UVB e UVA e é importante que tenha FPS (fator de proteção solar) mínimo 30. Isso visto que, em torno de duas horas de uso, o FPS diminui pela metade e vai perdendo sua eficácia.  

Como funciona o FPS? 

O FPS indica quanto tempo podemos nos expor ao sol sem provocar irritações e queimaduras. Se você leva cinco minutos para ficar com a pele avermelhada, por exemplo, ao aplicar um produto com FPS 30, a pele fica protegida por 30 vezes mais tempo (150 min). 

Nenhum tom de pele pode se abster da fotoproteção, porém, exigem cuidados diferentes. 

A pele mais clara tem menor tendência ao bronzeamento e se queima muito facilmente, portanto, o FPS diário mais indicado é o de 60. 

 Quanto mais escura a pele, mais resistente aos raios solares. Entretanto, não dispensa cuidados, inclusive para evitar manchas que podem ocorrer com frequência na pele negra por causa da hiperpigmentação. O FPS mínimo é de 30 e 15 em qualquer dia de exposição.

Além disso, crianças de até seis meses não devem utilizar protetor solar e o ideal é ter exposição solar antes das 9h por 10 min. Crianças de até 12 anos precisam se proteger e têm necessidade de FPS mínimo 40. 

Um protetor para cada tipo de pele

É importante conhecer qual o seu tipo de pele para melhorar e individualizar sua rotina de cuidados. Tendo isso em mente, a escolha do protetor solar pode se tornar mais fácil com algumas dicas. 

  • Protetor solar para pele oleosa  

A pele oleosa é caracterizada por uma produção excessiva de sebo, ela é brilhante e possui poros dilatados e evidentes. 

 Confira se o protetor garante ser livre de óleos e não comedogênico. Os mais indicados são os fluidos (mais líquidos, como séruns) e os pós compactos, que garantem o toque seco e aveludado.

  • Protetor solar para pele mista

 Como sugere o nome, a pele mista apresenta zonas mais secas e zonas mais oleosas (normalmente testa, nariz e queixo).  

Protetores livres de óleo permanecem sendo uma ótima opção, assim como os protetores gel-creme, que auxiliam na hidratação e ajudam a fornecer maior equilíbrio à pele mista.

  • Protetor solar para pele seca

 A pele seca não consegue reter umidade pela carência dos lipídios necessários e tem aspecto áspero e opaco. Além disso, envelhece precocemente e inclina-se ao ressecamento. 

A pele madura também apresenta essas características por motivos hormonais e deve-se priorizar o protetor em creme, pela textura mais emoliente. 

Em vista disso, são mais indicados os protetores com forte ação hidratante, como cremes e mousses.  

  • Protetor solar para pele normal

“Normal” é o termo corriqueiro que indica uma pele balanceada, nem muito seca, nem muito oleosa. Possui uma textura aveludada, com os poros não dilatados/aparentes. 

Pele muito comum em crianças, recomenda-se protetores em spray ou creme, pela maior fixação e resistência à água e ao suor.

Qual o melhor protetor solar para o rosto com manchas? 

A opção mais indicada para esse caso é o protetor solar com cor. Ele possui uma barreira mecânica, que é a própria cor. Os pigmentos contidos no produto são capazes de bloquear também a luz visível, causadora e agravante de manchas, vermelhidão e envelhecimento.

Consequentemente, o protetor solar com cor é considerado mais eficaz no tratamento de melasma e outras manchas. Além de que, ele serve como maquiagem e pode substituir a base no dia a dia, garantindo mais praticidade à rotina.