Saiba como e onde adotar cachorros e gatos em Belo Horizonte

Felizmente, tem crescido o número de pessoas interessadas em adotar um animalzinho ao invés de comprá-lo, e a Araujo tem uma grande alegria em apoiar ações e instituições que incentivam a adoção solidária!

A cada 15 dias, divulgaremos, em nosso perfil no Instagram @drogariaaraujo , fotos e informações básicas (tais como sexo, idade e porte) de animais para adoção — cães e gatos, adultos e filhotes, machos e fêmeas.

Quem se interessar deverá entrar em contato com a Marcia Barbosa, via WhatsApp, pelo número (31) 99627-1436. Ela, que atua como voluntária, fará uma breve entrevista por telefone e enviará o Termo de Adoção, em que é possível conhecer as condições da adoção. E quais são elas? O que é preciso saber antes de adotar?

Basicamente, é necessário se perguntar sobre o ambiente e as condições adequadas para receber os animais. Todos na casa gostam de animais e estão dispostos a cuidar bem dele? Animais dão uma alegria desmedida, mas também dão bastante trabalho! Você tem tempo para assumir um pet — isto é, tempo para passear, condições financeiras para ração, vacinas, castração, consultas veterinárias, etc?

A Marcia informa que os cães e os gatos adultos são castrados, vermifugados e vacinados. Cães adultos têm exame negativo de leishmaniose e os filhotes têm pelo menos a 1ª dose da vacina óctupla importada. Para ajudar nestes custos, ela pede “uma contribuição simbólica de 50 reais para cada adoção”. Além disso, “caso a pessoa preencha os critérios para adoção, levamos o pet até ela”, completa a voluntária.

E aí, se interessou?

Pedimos à Marcia que compartilhasse por que adotar é tudo de bom! Confira cinco motivos para adotar um animal:

  • Os animais para adoção foram abandonados ou resgatados de maus-tratos. Eles são extremamente agradecidos, especialmente quando são adotados por alguém que irá cuidar bem deles e lhes dar muito carinho. Eles serão seu melhor companheiro!
  • Existem muitos animais abandonados em todos os lugares, muitas vezes passando frio, fome, doentes e sendo “chutados” nas ruas. Por que então não adotar em vez de comprar? Afinal, animais não são mercadorias e não deveriam ser comercializados, e sim adotados por amor.
  • O “vira-lata” é um animal muito mais resistente a doenças do que um animal de raça e, seguramente, irá dar muito menos trabalho que um pet de raça.
  • Adoção é um ato de cidadania! Ao adotar um animal resgatado, você estará contribuindo para diminuir o número de animais abandonados nas ruas e, assim, contribuir não só para a saúde deles, mas também das pessoas, uma vez que animais doentes nas ruas, se não cuidados, podem transmitir doenças para humanos.
  • Existem estudos comprovando a importância da companhia de um pet na saúde das pessoas. Especialmente nos extremos das faixas etárias (crianças e idosos), a companhia de um cão/gato é muito benéfica, ajudando muito nos casos de depressão e outros transtornos. Além disso, um cão precisa ser levado para passear, e isso obrigará você a fazer caminhadas, o que será ótimo para a sua saúde!

Um pouco sobre Marcia e sua história de amor e empatia pelos animais:

“Meu nome é Marcia Barbosa, tenho 66 anos, sou cardiologista, casada, tenho 2 filhos e 2 netos, que são a alegria da minha vida. Sempre gostei muito de cães, mas, como trabalhava demais como médica, não tinha tempo para ser voluntária, apenas contribuía financeiramente para a proteção animal. Há cerca de 20 anos, comecei a sentir a necessidade de devolver para a comunidade um pouco do que Deus tanto me deu ao longo da minha vida. Junto a pessoas maravilhosas, criamos a Associação Projeto Cidadão, uma ação educacional em Sabará para crianças em situação de risco. Esta iniciativa me mostrou a beleza e a alegria de ser voluntário e, aos poucos, além do trabalho educacional com crianças, o Projeto Cidadão começou a desenvolver também ações de proteção animal.

Para mim, o fundamental é a castração de animais de rua, porque só assim iremos diminuir o número de animais abandonados. Então, junto a vários protetores e veterinários fantásticos que conheci ao longo da vida, começamos a castrar os animais e, como ficávamos com dó de voltá-los para o abandono da rua, começamos a batalhar por adoções. Graças ao apoio de vários shoppings e supermercados, começamos a organizar feiras de adoção nos vários shoppings de BH, o que foi um grande sucesso. A partir daí resolvemos tentar também organizar estes eventos na Araujo, a qual nos deu o maior apoio, viabilizando várias adoções em suas lojas.

Veio esta tragédia chamada Covid, que está matando tanta gente. Como sou grupo de risco pela idade, apesar de médica, não estou na linha de frente, como tantos colegas que estão dando tudo de si para salvar vidas, e, portanto, continuei tendo tempo para a proteção animal. Como os eventos presenciais já não são possíveis, começamos a usar as redes sociais — para isso, a ajuda do O Lobo Alfa (@oloboalfaprojeto) e da Patas BH (@patas.bh) na divulgação dos pets para adoção tem sido fundamental. O Covid não é uma catástrofe apenas para os humanos: o desemprego e a falta de alimentos aumentaram muito o número de animais abandonados e doentes. Por isso, ações de proteção animal são cada vez mais importantes. Uma vez mais, a Araujo, numa bela ação de cidadania, aceitou nos ajudar com esta campanha para adoção de animais. Agora só falta você fazer sua parte e adotar um bichinho, que vai te fazer muito feliz! Vamos adotar?”